twitter.com/viajandodireito facebook.com/viajandodireito linkedin.com/company/1741762 youtube.com/viajandodireito Newsletter RSS UAI

Notícias

06/09/2012

Dicas para atender pessoas portadoras de deficiências em viagens rodoviárias e aéreas

O Ministério do Turismo apóia projetos que visam à acessibilidade urbana e a adaptação de atividades turísticas, contribuindo assim para a melhoria da qualidade de vida da população local, bem como ampliando o acesso a turistas com deficiência ou mobilidade reduzida, quer sejam idosos, crianças, gestantes, entre outros.

As pessoas com deficiência e as com mobilidade reduzida demandam atitudes e atendimento condizentes com suas necessidades. A pessoa com deficiência e o idoso sempre devem ser consultados sobre a melhor maneira de serem atendidos ou abordados, evitando-se, assim, constrangimentos desnecessários. No entanto, algumas recomendações ou dicas podem ajudar.

Dicas práticas para atender pessoas portadoras de deficiências em viagens rodoviárias

Antes da Viagem

• Reservar a passagem na empresa de transporte rodoviário, obter informações sobre a forma de atendimento

No dia da viagem

Auxílio para embarque, procedimento para  embarque da bagagem e da cadeira de rodas e, se necessário, o uso da  cadeira de transbordo para entrar no ônibus.

Durante a viagem

• Orientar a pessoa com deficiência  para que solicite auxílio durante a  viagem e para embarque / desembarque nos pontos de parada.

No desembarque

• Receber auxílio de pessoal qualificado para desembarque da bagagem e da cadeira de rodas e ser conduzido até a saída do terminal rodoviário ou sistema integrado de transporte.

• Ser orientado por um sistema eficaz de sinalização sonora, tátil e visual  integrados e padronizados em toda a estrutura do terminal rodoviário e  sistema integrado de transporte

Dicas práticas para atender pessoas portadoras de deficiências em viagens aéreas

 Antes da Viagem

• Verifique as condições de transporte do cão-guia no avião. Providencie atestado de saúde do animal e faça reserva antecipada de assento na primeira fila;

• Reserve a passagem na agência ou companhia aérea, obtendo informações sobre a forma de atendimento no dia da viagem,  auxílio para embarque e desembarque, procedimento para embarque da bagagem e da cadeira de rodas;

• Solicite com antecedência, caso necessite:

– Oxigênio terapêutico durante a viagem;

– Refeições especiais;

– Assistência para entrar e sair do avião;

– Assentos contíguos para si e acompanhante;

– Cartilha de Instruções de Segurança em Braille ou em letras grandes, em caso de deficiência visual moderada;

• Por motivos de segurança, as empresas aéreas examinam todas as baterias das cadeiras de rodas motorizadas.  Fazem isso para determinar o tipo de manuseio adequado, pois todas as baterias que não têm etiqueta emitida pelo fabricante, indicando serem à prova de vazamento serão aplicados os procedimentos de remoção e de empacotamento de produtos frágeis da companhia. Vale o mesmo para cadeiras de rodas que não podem ser carregadas, acondicionadas, fixadas e descarregadas em posição vertical.

Durante a viagem

• Solicite ajuda de um funcionário da empresa para utilização da cadeira de rodas dobrável em deslocamento do assento ao banheiro da aeronave. É importante salientar que todos os aviões de corpo largo (dois corredores), têm pelo menos um banheiro com acesso para cadeiras de rodas a bordo. Todos os aviões Boeing 737 contam com dois banheiros acessíveis;

• Lembre-se de acomodar o cão-guia que viaja na cabine de passageiros no chão da aeronave e em uma fileira com espaço suficiente, preso a uma coleira e usando protetor de focinho. O cão-guia não poderá bloquear os corredores  ou outras áreas utilizadas para escape em situações de emergência. Neste caso, não existe encargo adicional por animais de serviços utilizados por clientes com deficiência visual. Usar guia, coleira ou colete específicos para indicar que está acompanhado(a) de animal de serviço é recomendável para ajudar o pessoal do aeroporto a distingui-lo de  outros passageiros facilmente. Entretanto, é necessário apresentar o atestado garantindo que o animal está a serviço para ajudar e em acordo com as condições de saúde e higiene.

No desembarque

• Peça o auxílio de pessoal qualificado para desembarque da bagagem, da cadeira de rodas e sua condução até a saída do aeroporto;

• Em caso de cegueira ou deficiência visual severa, solicite orientação sobre a existência de sistema eficaz de sinalização sonora, tátil e visual integrados e padronizados em toda a estrutura do terminal rodoviário e do sistema integrado de transporte. Na ausência deste, peça ajuda a um funcionário da empresa ou terminal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − quinze =

 

Parceiros

Revista Travel 3