twitter.com/viajandodireito facebook.com/viajandodireito linkedin.com/company/1741762 youtube.com/viajandodireito Newsletter RSS UAI

Notícias

19/07/2012

Procon-SP divulga lista de companhias que mais atrasam ou cancelam voos

Órgão de SP organizou dados fornecidos à Anac pelas empresas aéreas. Em maio, pelo menos 277 voos, atrasaram mais de uma hora.

Para tentar diminuir o risco de chegar ao aeroporto e ter o voo cancelado, ou atrasado, o consumidor ganhou uma nova ajuda. Agora, antes de comprar a passagem é possível saber quais são as empresas que costumam atrasar ou cancelar mais vOos, e também quais são as rotas em que isso é mais frequente.

A pesquisa foi organizada pelo Procon de São Paulo, com os dados fornecidos à Anac pelas empresas aéreas. No levantamento, o consumidor fica sabendo, por exemplo, que em maio pelo menos 277 voos, das oito empresas que operam no Brasil, atrasaram mais de uma hora, em trechos como: São Paulo – Brasília; Porto Alegre – São Paulo; Curitiba – Porto Alegre; Rio de Janeiro – Recife.

Veja aqui a lista do Procon

No mesmo período, mais de 696 voos foram cancelados, muitos nas rotas: Belo Horizonte – Maceió; São Paulo- Porto Alegre; Fortaleza – Manaus; Curitiba – Rio de Janeiro; Curitiba – Campo Grande.

“Nós fizemos uma análise dessas informações pra informar o consumidor mais adequadamente sobre esses atrasos e cancelamentos, permitindo que ele tenha um melhor direito de escolha. Então, ele analisa qual empresa aérea tem uma porcentagem maior de atrasos e cancelamentos, permitindo uma melhor escolha mercado”, declara Renan Ferraciolli, Procon – SP.

Se mesmo com todo o cuidado o passageiro tiver problemas, ele deve cobrar a empresa aérea. Quando o voo atrasa mais de uma hora, o passageiro tem direito a comunicação por telefone ou acesso à internet. Quando o atraso passa de duas horas, a companhia tem que fornecer alimentação.

A partir de quatro horas a empresa é obrigada a providenciar acomodação. Em caso de cancelamento, o consumidor pode escolher entre ser reembolsado ou acomodado em outro voo. “A empresa deve embarcá-lo em voo da própria companhia ou, caso não exista, em um voo de outra companhia, endossando esta passagem”, explica Ferraciolli.

Fonte: Jornal Hoje

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 − 1 =

 

Parceiros

Revista Travel 3