twitter.com/viajandodireito facebook.com/viajandodireito linkedin.com/company/1741762 youtube.com/viajandodireito Newsletter RSS UAI

Notícias

02/09/2015

Dicas imperdíveis para economizar em viagens internacionais em tempos de dólar e euro nas alturas

A desvalorização do real e o consequente aumento nas cotações do dólar, do euro e de outras moedas internacionais é um fenômeno que, segundo os economistas, veio para ficar. Não há nenhuma perspectiva do dólar figurar abaixo de R$ 3,20, pelo menos até o final de 2016. Mas, apesar dos tempos árduos na economia e na política, não faltam boas oportunidades de viajar para o exterior. Toda semana aparece alguma promoção, seja para os Estados Unidos, Europa, Caribe ou Ásia. Muitas delas com preços melhores do que em 2014! Dependendo do destino escolhido, e do planejamento da viagem, ainda é possível viajar pelo mundo gastando menos do que dentro do Brasil.

No entanto, a alta das moedas estrangeiras exige atenção e planejamento redobrado dos viajantes. É possível economizar, independentemente do seu estilo ou padrão de vida. Por isso, o Melhores Destinos reuniu 13 dicas que certamente vão te ajudar a economizar e a viajar mais tranquilo, e até encorajar aqueles mais reticentes a uma viagem internacional. Confira!

1. Dê preferência a países com baixo custo de vida
A escolha do destino pode ajudar você a economizar muito. Da mesma maneira que ocorre nas cidades brasileiras, o custo de vida no exterior varia muito entre os países. Na Europa, para economizar, dê preferência a países como Croácia, Grécia, Espanha, Portugal, Turquia, República Tcheca e países do Leste Europeu. Nos Estados Unidos, considere Miami, Orlando, Washington e Las Vegas. No Caribe, Aruba, Curaçao e República Dominicana são boas pedidas.

O Sudeste Asiático oferece opções encantadoras e baratas, como nas Filipinas, Tailândia, Laos ou Vietnã. Na América do Sul, Colômbia, Uruguai e Peru apresentam um baixo custo de vida. Completam o hall o México e a África do Sul. O custo com hospedagem, alimentação e deslocamento nesses locais será bem menor. Evite, nesse momento, viagens para países reconhecidamente caros, como Austrália, Inglaterra, Suíça, Rússia e Japão, ou esteja com o bolso preparado.

2. Evite a alta temporada
No Brasil, a grande maioria das famílias deixa para viajar no período das férias escolares, em dezembro, janeiro ou julho. Ou escolhem períodos de alta demanda nas cidades visitadas. Com isso, acabam pagando caro nos preços das passagens aéreas, hotéis e passeios, já que tudo fica inflacionado. Fugindo desses períodos é possível economizar até 40%, sem contar o menor tempo despendido nas filas das atrações e pontos turísticos. Quem tem filhos em idade escolar ou é professor pode deixar para viajar no Carnaval (baixa temporada na maioria dos países e altíssima temporada dentro do Brasil), na “semana do saco cheio” (quando as escolas suspendem as aulas) ou ainda na primeira semana de aula, quando geralmente as escolas fazem apenas uma revisão do conteúdo já dado aos alunos. Outra opção é negocie antecipadamente férias ou folgas para semanas de feriados prolongados.

3. Economize na passagem aérea
A passagem aérea vai representar uma parte significativa dos custos de sua viagem. Portanto, é onde você precisa investir mais tempo e planejamento. Negocie previamente com a família as datas possíveis para viagem. Se possível, tenha uma agenda flexível. Comece a pesquisar os preços e roteiros com bastante antecedência. Assim você saberá quando encontrou o melhor preço. Se você está no grupo dos leitores que muitas vezes não consegue comprar as passagens baratas antes delas se esgotarem, algumas dicas: (i) fique ligado no Melhores Destinos; (ii) quando surgir alguma promoção, seja rápido! O Melhores Destinos tem mais de 2,2 milhões de seguidores em apenas uma das redes sociais. Se apenas 1% deles resolver aproveitar uma promoção, estamos falando de 22 mil pessoas…; (iii) saiba das promoções em tempo real baixando o aplicativo do Melhores Destinos para celular, disponível para Iphone e Android; varie sempre das datas de ida e de volta, em busca dos melhores preços; (iv) tenha um plano B, alguma cidade ou data alternativa que você pode considerar nos seus planos, se o plano principal ficar muito caro.

 

4. Reduza os deslocamentos
Se não quiser reduzir o número de cidades a serem visitadas, ao menos otimize o seu roteiro de viagem. Duas técnicas muito úteis podem ajudá-lo a economizar: o Stopover, quando você aproveita uma conexão para pernoitar uma ou mais noites no destino, sem precisar de uma nova passagem, e o Open Jaw, quando você compra a ida para uma cidade e o retorno por outra, sem pagar nada a mais por isso. Descolamentos pela manhã ou no final do dia permitem aproveitar o destino escolhido. Considere voar nas empresas aéreas de baixo custo, especialmente na Europa, Ásia e Estados Unidos, que oferecem um bom serviço a preços muito mais em conta. Cuidado apenas com as taxas adicionais comumente cobradas, para despachar bagagens ou reservar assentos, por exemplo. Tente levar pouca bagagem para economizar.Os sites E-dreams (Europa) e Cheap Tickets (EUA) são muito úteis para pesquisar low costs. Na Europa, você pode utilizar trens para deslocamentos de curta duração, com a vantagem de embarcar e desembarcar na área central das cidades. Se for realizar muitas viagens, adquira os passes válidos por períodos determinados. Pesquise no Rail Europe. Nos deslocamentos mais curtos, a bicicleta pode ser uma opção saudável e divertida, especialmente na Europa.

5. Economize na hospedagem
Se você não abre mão de ficar em hotel, a primeira recomendação é abrir de marcas e redes conhecidas e pesquisar todas as disponibilidades, considerando os atributos que sejam importantes para você, como localização, infraestrutura, nível de serviço e preço. O Melhores Destinos possui uma excelente ferramenta de busca de hotéis com desconto, na parceria com o renomado e premiado site Booking.com, disponibilizando opções de hospedagem em todo o mundo. Essa ferramenta possui milhões de avaliações genuínas de hóspedes que te ajudam a conhecer as virtudes e defeitos de cada hotel, reduzindo a assimetria de informação. É fácil, prático e seguro e, em alguns casos, é possível fazer o pagamento pré pago em reais, escapando do IOF! Vale a pena investir um tempo pesquisando as opções de estadia, pois é outro item de grande custo em uma viagem. Hoteis bem localizados ajudam a economizar em deslocamento. Reservas com cancelamento grátis podem ser úteis em caso de imprevistos ou se aparecer alguma promoção com preços melhores.

Quem tiver espírito mais aventureiro, pode utilizar também o Hotwire nos Estados Unidos, onde você escolhe o hotel por bairros e número de estrelas, e reserva sem saber qual a localização exata ou o nome do hotel. Geralmente as surpresas são bem positivas. No entanto, o valor pago não é reembolsável em caso de desistência.

Para os mais descolados, considere alugar um quarto ou um apartamento. Além do menor custo, você terá mais liberdade para acomodar a família e para cozinhar. O modo mais seguro de fazer isso é utilizando as agências virtuais especializadas, que se certificam que os proprietários atendem aos requisitos mínimos para esse tipo de serviço. A ferramenta de busca de hotéis do Melhores Destinos possui a opção de busca por “apartamentos” (foto).

Para os desapegados, que viajam sozinhos ou em pequenos grupos, considere ficar em albergues. O Hostel World é a melhor ferramenta para pesquisar albergues, pois oferece muitas alternativas, com informações detalhadas e a avaliação dos hóspedes.
Busca-Apto-MelhoresDestinos

6. Atenção na hora de comprar moeda estrangeira

Levar dinheiro em espécie é a opção que paga menos imposto (IOF de 0,38%). Pesquise as melhores opções de câmbio na hora de comprar a moeda e em hipótese alguma compre das mãos de cambistas. Inúmeros viajantes caem em golpes e descobrem que compraram moeda falsa da pior maneira possível, fora do País. Bancos comerciais costumam oferecer cotações interessantes para correntistas, mas é importante pesquisar. Se estiver próximo da data viagem, considere sacar a moeda no País de destino, nos caixas eletrônicos. Geralmente o câmbio é mais vantajoso, por seguir a cotação comercial da moeda, o que não acontece nas casas de câmbio e na maioria dos cartões de crédito. Mas, verifique com seu banco se esse serviço pode ser usado por você, o valor da tarifa de saque, e se é necessário ativá-lo previamente.

Os cartões de crédito devem ser usados com cuidado, pois trazem o risco da variação cambial, já que valerá a cotação do dólar do dia do pagamento da fatura, além do IOF de 6,38%. O acúmulo de milhas e alguns benefícios de viagem podem compensar em parte esse custo. Os cartões pré-pagos (Travel Money) perderam quase toda vantagem após o aumento da alíquota de imposto, que passou a ser a mesma dos cartões de crédito, mas pelo menos evitam o risco da variação cambial. Podem ser uma alternativa para quem tem viagem planejada para esse ano e quer fugir do risco de um aumento ainda maior do Dólar e do Euro.

7. Planeje o que vai fazer cada cidade, com antecedência
Monte o roteiro de seus passeios olhando num mapa as distâncias entre eles e os melhores horários para aproveitar cada atração. Deixe um tempo livre para poder aproveitar algo que não tenha sido planejado. Lembre-se que vários museus oferecem gratuidades em determinados dias da semana e que é possível comprar ingressos com desconto para teatros, shows e atrações turísticas. Algumas cidades oferecem passes para diversas atrações, que podem ser econômicos caso você realmente queira visitar a maior parte das atrações oferecidas no pacote. Compre ingressos com antecedência, sempre que possível.

8. Evite andar de táxi
Os deslocamentos terrestres podem somar custos significativos em sua viagem. Privilegie o transporte público, ou considere alugar um carro com baixo consumo de combustível. Na Europa, em quase todos os países o trem e o metrô te levam aos principais lugares de interesse turístico, com segurança e agilidade. O Google Maps pode ser um aliado para achar a melhor alternativa de transporte público. Passes diários ou semanais (alguns exclusivos para turistas) podem trazer grande economia nesse serviço. Nos Estados Unidos, onde o transporte público é menos eficiente do que na Europa, algumas cidades como Nova Iorque e Los Angeles permitem a utilização do metrô para deslocamento. Já em cidades como Miami ou Orlando, alugar um carro provavelmente será a opção mais econômica. Pesquise e reserve com antecedência. Viajantes solitários ou aqueles que não têm coragem para dirigir em outro país, podem utilizar o serviço de Shuttle (vans fretadas), mais econômico do que o táxi.

9. Inove na alimentação
A primeira recomendação é não consumir os itens do frigobar, estiver hospedado em hotel, pois habitualmente são itens muito caros. Abasteça a geladeira com água e outros itens comprados no comércio local. Utilize sites e aplicativos especializados, como o Yelp, para escolher onde fazer suas refeições. Você vai descobrir restaurantes surpreendentes, com preços muito competitivos, considerando a avaliação de outros turistas e dos moradores da região. Alguns restaurantes, principalmente na Europa, possuem um menu do dia com entrada, prato principal e bebida ou sobremesa por preços muito em conta.

Considere também fazer pelo menos uma refeição no quarto do hotel, com saladas ou produtos adquiridos em supermercados. Ou um piquenique. Será divertido e muito econômico. Se estiver cansado, peça comida pela internet. Aplicativos e sites como o GrubHub (EUA), indicam os restaurantes que entregam comida no local onde você estiver, oferecem desconto, e ainda mostram dicas e avaliações dos usuários. Por fim, ande com uma garrafa de água e abasteça nos locais que visitar. Muitas cidades possuem sistemas de fornecimento de água muito seguros, que permitem beber água da torneira sem preocupação.

10. Use a tecnologia e a inteligência para se comunicar.
É comum a conta de telefone trazer surpresas após viagens internacionais. Por isso, antes de embarcar, desabilite os dados de seu celular. Não atenda ou efetue ligações em seu celular do Brasil, os preços são exorbitantes. Se for imprescindível, contrate um pacote antes de sair do País. Lembre que receber torpedos é gratuito, mas enviar é caro. Se quiser utilizar internet móvel e voz, compre chips pré-pagos com pacotes válidos por alguns dias ou semanas. Dá pra comprar em bancas de jornal ou supermercados. Para se comunicar, utilize aplicativos como Skype, WhatsApp, Viber, Hangouts e Facetime. Pelo Skype é possível ligar para telefones fixos e móveis no Brasil, com um custo menor do que uma ligação local.

11. Aproveite os seguros do seu cartão de crédito.
Muitos cartões de crédito internacionais das bandeiras Amex, Diners, Visa e Mastercard oferecem algum tipo de seguro para viagens, aluguel de carros e extravio de bagagens, que geralmente são acionados quando a passagem de avião ou as diárias são pagas com ele. Alguns cartões permitem emitir o Certificado de Schengen (necessário para viagens pelo Europa, mas útil para qualquer viagem) pela internet. Se tiver mais de um cartão, verifique qual deles oferece a melhor cobertura e aproveite essa facilidade para economizar, sem abrir mão da segurança. Avalie as condições específicas de cada seguro antes de viajar, pois algumas coberturas podem ser parciais. Se necessário alguma cobertura adicional, contrate apenas o que faltar. Se seu cartão não oferece nenhum seguro, confira o ranking de cartões de crédito do Melhores Destinos e avalie trocá-lo. Você pode economizar um bom dinheiro!
cartoes-credito

12. Compre somente o que for imprescindível
O turista brasileiro é apaixonado por compras. Não tem jeito… A dica é tentar ser bem seletivo, em função da volatilidade da economia brasileira, e ter em mente que você vai viajar novamente em algum momento da sua vida. Antes de embarcar, pesquise os preços dos itens desejados no Brasil. Pode ser que a diferença de preço não compense mais a compra no exterior, em função do câmbio atual. Confira também em seu guarda-roupas tudo o que você tem, especialmente aquilo que comprou em alguma viagem anterior e não usou. Vai ajudar a segurar a onda! Para quem vai para os Estados Unidos, uma dica é pesquisar o que precisa no site da Amazon e avaliar a opção de entrega no hotel. Os preços costumam ser bem menores, e ainda vai economizar tempo e o gasto com deslocamento até a loja. Em outros países, pesquise os preços também pela internet. Consulte se o seu hotel cobra pelo recebimento e armazenamento de pacotes antes de sair fazendo compras. Se for comprar roupa de inverno, deixe para comprar no exterior, em lojas de departamento, pois pode sair até 80% mais em conta que no Brasil.

13. Não menospreze suas milhas!
Muita gente ainda não descobriu como os pontos e milhas acumulados em viagens e cartões de crédito são importantes. Eles podem ser convertidos em passagens aéreas tanto para os voos longos saindo do Brasil quanto para deslocamentos durante a viagem, hotéis, aluguel de carro e muito mais! Procure saber quais são as companhias parceiras, pois você pode acumular as milhas recebidas em seus voos em programas diferentes. Voos da American Airlines, por exemplo, podem render pontos no TAM Fidelidade, enquanto voos da Delta e United podem aumentar o saldo no Smiles ou TudoAzul, respectivamente.

Por fim, lembre-se: pessoas desorganizadas ou que não planejam a viagem acabam pagando caro por isso. Não seja uma delas!

Fonte: Melhores Destinos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Parceiros

Revista Travel 3