twitter.com/viajandodireito facebook.com/viajandodireito linkedin.com/company/1741762 youtube.com/viajandodireito Newsletter RSS UAI

Notícias

24/04/2017

Estudo mostra que 2/3 de empresas online enganam viajantes

downloadComprar viagens pela internet tem lá suas vantagens. A praticidade de acessar uma infinidade de produtos, comprar em poucos cliques e pagar online são apenas algumas das praticidades oferecidas online.

Mas nem tudo é tão fácil quanto parece. Um levantamento da Comissão Europeia e de autoridades de proteção ao consumidor revela que empresas do continente têm crescido não só em vendas, mas também em reclamações de clientes.

Uma triagem feita em 352 sites de reservas on-line e de comparação de preços de 28 países da Europa em outubro de 2016 revelou que 235 companhias, ou dois terços, apresentaram irregularidades nos valores.

Para se ter uma ideia, é comum, de acordo com o órgão, “maquiar” a compra ao colocar elementos adicionais nas tarifas durante o processo sem informar o consumidor de tal alteração. Ou ainda, essas empresas são acusadas de oferecer promoções não correspondentes a serviços disponíveis.

Os nomes das companhias não são relevados, no entanto, o estudo garante que a “maioria” pertence ao setor de viagens. “Eles precisam respeitar as leis do consumidor europeias, assim como um agente de viagens o faz. Os clientes precisam da mesma proteção on-line e off-line”, destacou a encarregada de Justiça, Consumidores e Igualdade de Gênero, Vera Jourová.

Entre as práticas adotadas, 32,1% traz discordâncias entre os preços apresentados no início e fim da compra. Em 30,1% dos sites, o cálculo do total da compra não era 100% fidedigno. Ainda, as empresas virtuais aparentemente divulgaram ofertas consideradas escassas, algo como “restam apenas dois” ou “disponível somente hoje”, sem especificar se essa falta era aplicada estritamente ao seu endereço on-line.

O passo seguinte a ser tomado é exigir de todas as 235 empresas a correção das irregularidades apresentadas. O tempo determinado para a ação, porém, não foi revelado pela autoridade.

“Já suspeitava deste índice alarmante! O turista não teve contratar os serviços turísticos apenas estimulados com a  oferta de preço imperdível! Devemos tentar checar se a bela imagem veiculada realmente corresponde aos serviços prometidos e se a empresa vendedora possui credibilidade no mercado nacional. Antes de contratar seu passeio, faça uma pesquisa do PROCON ou na Justiça com intuito de conferir se esta empresa possui muitas reclamações ou ações propostas por consumidores. Não confie apenas na publicidade veiculada!” Luciana Atheniense

Fonte: Panrotas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + três =

 

Parceiros

Revista Travel 3