twitter.com/viajandodireito facebook.com/viajandodireito linkedin.com/company/1741762 youtube.com/viajandodireito Newsletter RSS UAI

Notícias

12/01/2012

TAM pode ser multada em até R$ 2,23 milhões por não prestar assistência adequada a passageiros.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) declarou nesta quinta-feira que a TAM deverá ser multada em até 2,23 milhões de reais por falhas na assistência a passageiros que tiveram um voo cancelado nesta terça-feira, no Rio de Janeiro.

No último dia 10, cerca de 300 passageiros do voo JJ 8078, que faz a rota Rio-Nova York, passaram mais de 13 horas à espera do embarque no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão). Eles deveriam ter decolado às 23h05, mas só conseguiram partir às 12h30 do dia seguinte. Segundo o órgão, durante a espera, os passageiros não receberam a assistência prevista em lei, que obriga as companhias aéreas a fornecerem comida após duas horas de atraso e hospedagem, quando a demora ultrapassar quatro horas.

Representantes da TAM, que recebeu notificação nesta quarta-feira, reuniram-se com a diretoria da agência reguladora nesta quinta. O encontro teve o objetivo de obter explicações da companhia aérea sobre o ocorrido. Após a conclusão de processo administrativo, a multa milionária deverá ser lavrada.

Dica do Viajando Direito

Por lei, após duas horas de atraso é obrigação da empresa aérea fornecer comida aos clientes, e, após quatro horas, hospedagem.

 

 

1 comentário

  • Elaine disse:

    Ontem, dia 30 de abril, aconteceu no voo de procedencia SP Congonhas com destino a Uberlandia – MG, o voo estava previsto para sair por volta das sete horas e foi cancelado por motivos meteorológicos, sendo que a Cia apenas prestou assistência de hospedagem aos passageiros em, eu que moro em Uberaba fiquei sem qualquer assistência, sendo que o funcionário disse que nada poderia fazer para resolver. O descaso deste funcionário foi tamanho que eu estava com uma criança e depois de insistir por diversas vezes pedindo ajuda com hospedagem, e o mesmo negando prestar assistência, eu perguntei se ele não tinha coração em ver uma criança com frio e fome até aquela hora (isto passava das nove e meia) e estávamos no aeroporto desde as cinco e vinte da tarde, e o funcionário da Tam me respondeu que ele não precisa ter coração. Isto me deixou em uma situação que ultrapassa um mero dissabor. As autoridades precisam saber disto, pois a Tam não está cumprindo o que a Lei determina. A falta de preparo do funcionário é enorme e ao invés de acalmar os passageiro ele conseguiu deixar a todos mais irritados diante de sua postura.

    Imagino o que ocorrerá na Copa!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − cinco =

 

Parceiros

Revista Travel 3