twitter.com/viajandodireito facebook.com/viajandodireito linkedin.com/company/1741762 youtube.com/viajandodireito Newsletter RSS UAI

Dicas de Viagem

É possível alugar o carro numa cidade e devolvê-lo em outra? Sou obrigado a devolver o carro para a locadora com o tanque cheio?

Devolução: Sim, desde que a locadora tenha representante na cidade da devolução e seja previamente comunicada da intenção do cliente. Em tal hipótese, poderá ser cobrada taxa de retorno do veículo.

Tanque cheio: Sim, desde que tenha sido informado previamente dessa obrigação. Caso não devolva o carro com o tanque cheio, o cliente deverá pagar o preço do combustível necessário para completá-lo, acrescido de eventuais despesas com esse reabastecimento.

Pretendo fazer um cruzeiro marítimo. Quais são os serviços incluídos neste tipo de contratação?

Os preços que estão incluídos nos cruzeiros marítimos são: acomodação na cabine, entretenimento de bordo (cassino, shows, gincanas e uso da piscina) e pensão completa. As bebidas em geral são pagas à parte, exceto nas companhias marítimas que funcionam no sistema all-inclusive, porém não estão embutidas no preço as tarifas portuárias, nem o transporte até o porto. Uma dica é ler com atenção o contrato e esclarecer tudo com antecedência junto à empresa contratante. É importante guardar uma cópia do contrato e o material publicitário que divulga os serviços incluídos nesta contratação. Lembre-se de que, amparado pelo Código do Consumidor, toda oferta “obriga o fornecedor que a fizer, veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado” (art. 30 do CDC).

Pretendo alugar uma casa nas minhas próximas férias. Quais cuidados devo ter?

Cheque a idoneidade da imobiliária no CRECI ( www.cocefi.gov.br). Se negociar direto com o dono, cuide para que, no contrato, conste o que foi combinado, incluindo os móveis e equipamentos disponíveis e cobre recibo. Assim que chegar, cheque se os itens constantes no contato estão funcionando. Vale buscar referências relativas ao imóvel.

Fui a uma agência de turismo e adquiri três pacotes. Após cinco dias, fui à empresa para cancelar o pacote, em virtude do meu marido ter adoecido. A agência tentou vender-me um seguro de viagem, mas não concordei, já que estou disposta mesmo a cancelar. A atendente que me vendeu o pacote disse que teria que pagar uma multa de 85%. É esse mesmo o valor da multa?

Não há uma definição legal em relação à porcentagem que deverá ser estipulada para o cancelamento de viagem motivada pelo consumidor. Infelizmente, sabemos que essas situações ocorrem em virtude de problemas pessoais do turista próximo ao dia da viagem. Você tem a liberalidade em cancelar a viagem independente da opção de “seguro de viagem” fornecido pela agência. Cabe a empresa o direito de cobrar uma multa operacional relativa às despesas efetuadas pela reserva do pacote, que não pôde ser vendido para outra pessoa. Acho prudente você ir pessoalmente à agência e tentar um acordo amigável. Evite definir qualquer proposta de acordo via telefone. E havendo acordo, solicite um documento da empresa em relação ao cancelamento do pacote.

Viajei para os EUA e ao retornar a companhia aérea responsável pelo voo me informou que havia um overbooking e eu teria US 350 para ficar em Miami por mais um dia, além de hospedagem. Tenho direito de entrar com uma ação contra a companhia aérea nesse caso?

Sabemos que a empresa aérea costuma vender mais passagens do que a capacidade da aeronave, sob a alegação de que há passageiros que não comparecem para embarque apesar da reserva confirmada (no show). Entretanto, esse procedimento não pode prejudicar o cliente, que confirmou a passagem e compareceu ao aeroporto para o embarque com a antecedência necessária. A empresa, apesar de ter fornecido 350 dólares e a hospedagem, não agiu de forma correta ao impor essa condição ao seu passageiro. Você deveria ter tido a liberalidade em aceitar a proposta monetária fornecida pela empresa ou exigir o cumprimento do serviço aéreo, ou seja, retornar ao Brasil no dia e voo contratado. Nesse caso, há juízes que concedem danos morais aos passageiros, em virtude do descumprimento contratual da empresa gerando fadiga ao passageiro, por não ter conseguido embarcar conforme esperava.

 

Parceiros

Revista Travel 3