twitter.com/viajandodireito facebook.com/viajandodireito linkedin.com/company/1741762 youtube.com/viajandodireito Newsletter RSS UAI

Notícias

04/07/2013

Passagens aéreas no Brasil dobram de preço no último ano

Quem viaja reclama do preço das passagens aéreas. Em alguns trechos, o valor mais que dobrou do ano passado para cá.

É o que diz quem viaja com frequência. Os motivos para esse aumento são variados. Os custos das empresas aéreas subiram. Por outro lado, o número de voos diminuiu e há pouca concorrência no setor.

São mais brasileiros cruzando os céus do país. Passaram de 100 milhões em 2012, segundo a Anac. Só que encarar um avião não está fácil. O passageiro reclama: ficou caro! “Um trecho que se fazia em uma média de R$ 200, R$ 250, dependendo do destino, hoje está R$ 800 a R$ 900”, declara Fábio Morais, gerente de vendas.

O preço das passagens aéreas subiu sim, de acordo com o IPCA-15 de junho, considerado uma prévia da inflação oficial.

Desde setembro do ano passado, o número de voos ofertados pelas companhias aéreas vem caindo no Brasil. Os especialistas dizem que é uma estratégia das empresas para economizar; fazer com que passageiros de voos que deixaram de existir, lotem os voos restantes. Em 2010, os aviões foram para 137 destinos no país. Em 2011, para 132. No ano passado, para 122.

Também no ano passado teve queda no número de trechos percorridos: foram 7.304 a menos do que em 2011. Aí quem precisa viajar fica sem muita escolha. “Às vezes está muito cheio ou às vezes o preço está bem elevado, dificulta um pouco para a gente ir”, declara Rodrigo Martins de Oliveira, analista de TI. “Não tem explicação. Todos os voos lotados. As opções são poucas, os horários horríveis. Não sei se é são com Campo Grande que acontece”, indaga Fernando Rodrigues, jornalista.

Menos vôos podem significar passagens mais caras. Esse é um dos fatores que influenciam na subida dos preços. “Está caro, primeiro porque teve aumento do dólar. Fora isso, também no Brasil, ao contrário de outros países, nós temos quatro companhias aéreas relevantes. Sem concorrência, diminuindo a quantidade de voos e sem estrutura o preço vai subir”, alerta Estevão Alexandre, especialista em mercado de capitais do IBTA.

De acordo com a última pesquisa de intenção de viagens, divulgada pelo Ministério do Turismo, houve uma queda de três pontos percentuais no número de turistas que pretendem viajar de avião. Ainda assim, esse será o meio de transporte usado por 61% dos viajantes.

Fonte: Bom Dia Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + 18 =

 

Parceiros

Revista Travel 3